Resenha: O sol é para todos Resenha: Em algum lugar nas estrelas Resenha: Laços

RESENHA - O GUARDIÃO DO TEMPO



Título: O Guardião do tempo  
                                           
Autor: Mitch Albom
                              
Editora: Arqueiro

Ano de publicação: 2013

Páginas: 240

ISBN: 9788580414080

Nota: 05/05



“O tempo é aquela coisa que afasta os homens da simples luz da existência e os fazem aprofundar-se mais nas trevas de suas obsessões”

Muito tempo atrás, antes mesmo das pessoas saberem o que é o tempo de fato, os homens apenas viviam o momento sem saber se, ou quando o sol iria nascer ou se a lua iria iluminar suas noites. Isso até Dhor, um garoto que fazia contas a seu modo, começou a contar o tempo. E o tempo... Ah esse foi impiedoso com Dhor.

Há milênios existia um pequeno menino que era curioso como toda criança, mas sua curiosidade era desproporcional a qualquer outra. Dhor era seu nome e ele brincava com seus amigos e mantinha suas contagens sempre que possível. Seus passos, sua respiração, tudo ele dava um jeito de contar.
O menino cresceu e sua curiosidade não foi diferente. Já um homem casado e com filhos, ele descobre jeitos de saber quando a lua vai ser cheia, quando o sol irá se puser. Medindo água em bacias e com as sombras criadas pelo sol ele encontra padrões de estabilidade sobre as coisas.
Quando sua esposa adoece ele decide que vai dar um jeito de fazer a doença parar e corre até a incrível torre que seu irmão e rei Nim construiu, uma improvável torre que desaparece nos céus de tão enorme (muitos conhecem a história dessa torre). Ao contrário de seu irmão que quer enfrentar os deuses e se tornar o rei do mundo, Dhor quer subir a torre para pedir a ajuda destes Deuses.
Desesperado por encontrar uma solução, Dhor nem conseguiu descobrir o que aconteceu antes de acordar numa caverna com um velho ancião falando palavras que ele sequer compreendia. O velho falava que sua busca pelo tempo acabava ali e que ele teria uma missão a cumprir. Mas o que era o tempo? Ninguém conhecia isso ainda.

Sua obsessão pelo conhecimento o levou a penitência de ouvir diariamente, sozinho na caverna durante seis milênios, os pedidos por mais tempo de toda a humanidade. Dali ele ouviu os pedidos de Sarah e de Victor, sua missão era com eles.
Sarah é uma adolescente com problemas amorosos que vê sua vida sendo exposta na internet pelo garoto que ela se apaixonou, o que destrói a menina por inteiro. Obcecada pelo garoto, Sarah não percebeu que ele era perda de tempo.
Victor é um empresário bem sucedido que recentemente descobre que está com insuficiência renal dentre outros problemas devido sua idade avançada. Com sua morte iminente, ele não quer deixar de viver e tocar sua empresa, e assim descobre a criônica, processo que irá preservar seu corpo até a medicina evoluir à medida que ele possa ser reanimado no futuro. Um tempo curto, ele espera.

Após seis milênios aprisionado na caverna, Dhor é autorizado a voltar a conviver com os humanos para cumprir sua missão com uma ampulheta especial. Para poder analisar os carros, as roupas, os prédios e tudo o mais que é novidade, ele usa a ampulheta para frear o tempo e descobrir tudo que é possível sobre essa nova Era. Sem saber como irá cumprir a missão, Dhor arruma um trabalho numa relojoaria e espera que o tempo traga sua missão.
Após conhecer Sarah e Victor, ele ainda não sabe como sua missão será realizada, apenas que são pessoas que precisa de alguma coisa do tempo. Mais tempo ou menos tempo? O destino de Dhor, Sarah e Victor estão diretamente entrelaçados para que todos aprendam uma única coisa: Tudo tem seu tempo!

O Guardião do tempo é um livro curto e dinâmico onde paramos para pensar se o tempo em que vivemos está sendo gasto, aproveitado ou perdido.
Preocupados em ter mais tempo, muitos deixam de perceber que o tempo a ser vivido é este, o agora. Passamos muito tempo nos preocupando com as perdas de ontem e os possíveis acertos do amanhã, mas o mais importante, que é o que está ao nosso alcance, o hoje, ignoramos.
Essa foi uma leitura bem diferente do que costumo ler e posso dizer que é sempre bom sair do convencional, pois no desconhecido sempre pode haver algo para se identificar.
Com leves toques de humor, alguns de ficção, dados históricos e dados contemporâneos da ciência, Mitch Albom sabe como nos fazer refletir sobre nosso inevitável, porém esgotável tempo.


Para uma leitura leve, hoje deixo uma banda mais amena, o Flobots. Banda de rap alternativo que não perde tempo utilizando batidas sem graça, mas sim fazendo sua própria melodia com seus instrumentos reais.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...