Resenha: O sol é para todos Resenha: Em algum lugar nas estrelas Resenha: Laços

RESENHA - O ESCARAVELHO DO DIABO




Título: O Escaravelho do diabo 
                                           
Autor: Lúcia Machado de Almeida
                              
Editora: Ática

Ano de publicação: 1982

Páginas: 128

ISBN: 9788508001033

Nota: 05/05




“A dor deixa de ser triste quando nos aproximamos dela para suavizá-la.”

Assassinatos, mistério, paixões e besouros. Seja cuidadoso se você tem cabelos ruivos e rosto sardento. Essa é a característica escolhida para o serial killer obcecado por besouros causar pânico e derramar muito sangue em uma pacata cidadezinha de Minas Gerais.


Hugo, o foguinho, morto da Silva.
Alberto é um estudante dedicado de medicina que se vê numa incrível jornada de caça ao rato, ou melhor, caça ao “inseto”, como apelidaram o mais temido serial killer de Minas Gerais dias depois.
O jovem entra na perseguição do assassino quando descobre o cadáver de seu irmão mais novo com uma espada fincada em seu coração. Antes de morrer, no entanto, o irmão mais novo de Alberto recebeu um pacote onde continha um besouro com características diferentes espetado em uma rolha, algo que pareceu uma simples pregação de peça para os irmãos. O que eles não sabiam é que esse era um aviso de que Hugo, irmão de Alberto e dono de uma farta cabeleira ruiva, seria assassinado friamente.






O jovem aspirante a médico não acreditou que seu irmão pudera ser morto daquela forma e sem pistas tentou continuar sua vida normalmente, até o momento em que descobriu que tipo de besouro era aquele que seu irmão recebeu antes de morrer. O besouro na verdade era de uma espécie que indicava a forma que Hugo morreria. Achando que era apenas uma coincidência, Alberto mantinha contato com o Inspetor Pimentel a fim de descobrir como andava a investigação da morte do irmão.
Em mais um dia de trabalho na enfermaria, Alberto foi chamado para ajudar em uma autópsia quando se deparou com um garoto morto com uma cabeleira ruiva parecida a de seu falecido irmão. A partir daí o jovem não teve dúvidas de que estavam diante de um assassino em série que escolhia pessoas ruivas em especial.

Alberto apresentou suas pistas e conclusões ao Inspetor Pimentel que de início desconfiou e acreditava serem apenas coincidências, mas quando mais cadáveres ruivos apareciam, junto com o fato de terem recebido um pacote com um besouro antes de morrer, o Inspetor deixou de lado toda a desconfiança e assim seguiu com Alberto à caça ao “inseto”.
A dupla estava com as pistas dos besouros, mas não tinham suspeitos até encontrarem uma pousada onde todos se tornariam suspeitos, pois era nessa pousada onde o garoto que Alberto ajudou na autópsia morava e foi assassinado. Contudo, Alberto encontrou sua grande paixão nessa mesma pousada. Seu nome era Verônica, uma bela moça de personalidade forte que flechou o coração do jovem. Dividido pela paixão que tomava espaço em seu peito e pela determinação de encontrar o assassino de seu irmão, Alberto passou a frequentar a pousada para ambos os fins, ver sua amada e desvendar o mistério dos assassinatos.
Em dado momento Verônica é dada como principal suspeita de ser a assassina e isso corta o coração de Alberto, ao mesmo tempo em que o leva a se dedicar ainda mais na descoberta do(a) verdadeiro(a) culpado(a).
A cada passo que o “inseto” dá, Alberto e o Inspetor Pimentel possuem mais dúvidas ao invés de esclarecimentos dos fatos, o que torna a jornada desgastante para ambos. Os suspeitos agem de forma esquisita, os mortos não tem tempo de avisá-los sobre o pacote, um verdadeiro pandemônio na cidade.

Como o livro é bem curto ficou difícil de pincelar a história sem spoilers, mas o fato é que, por se tratar de um clássico da literatura infanto-juvenil, a história vale muito a pena de ler e merece ser creditada como um dos melhores mistérios para jovens criado aqui no Brasil.
Infelizmente as escolas não passam mais esse tipo de leitura para seus alunos, mas felizmente tive o prazer de acompanhar de perto essa fase da Série Vaga-Lume nos tempos escolares. O Escaravelho do diabo possui uma escrita de fácil compreensão e com uma narrativa que deixa todo o mistério à flor da pele. Por ser um livro de poucas páginas, a história não tem muitas reviravoltas e os acontecimentos se dão bem sequencialmente.
A autora deu vida a uma história que nos anos 80 poderia ser considerada mera ficção, mas que hoje não podemos duvidar que algo semelhante possa acontecer, visto que a humanidade é imprevisível e cada vez mais aparecem maníacos com características diabólicas.

O "inseto" é visto rapidamente.
Esse livro foi um marco na minha vida, pois foi o primeiro livro que li quando tinha uns oito ou nove anos, mais ou menos, e para um garoto nessa idade que é exposto a uma leitura desse escalão não poderia dar outra: leitor pra sempre!
Como o público alvo da Série Vaga-Lume era o infanto-juvenil, todos os livros têm ilustrações para dar mais leveza à leitura, porém, agora adulto vejo que talvez isso seja um ponto negativo por cortar um pouco da imaginação que o livro traz às nossas mentes. Mas claro que isso é uma opinião particular minha e eu indico todos os livros da série, apesar de não ter lido alguns poucos.

O livro vai ganhar adaptação para as telonas em abril deste ano e tive que ler novamente para relembrar tudo, o que não foi nenhum esforço, diga-se de passagem. Entretanto, tenho um sentimento dúbio quanto ao filme: estou ansioso por ser algo nostálgico, mas sem muita expectativa da adaptação ser dignamente fiel, infelizmente.

Deixo a banda grega Psycho Choke para acompanhar a leitura com suas músicas mais psicopatas que o próprio “inseto”, o serial killer dos besouros.


Confiram o trailer do filme:


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...