Resenha: O sol é para todos Resenha: Em algum lugar nas estrelas Resenha: Laços

RESENHA - ORIGEM DO ALÉM



Título: Origem do além

Autor: Evezel

Editora: AZO (Agência Literária)

Ano de publicação: 2016

Páginas: 388

ISBN: -

Nota: 3/5




“A justiça é a disposição constante da vontade em dar a cada um o que é seu.”
O Planeta Terra como o conhecemos ainda não existia e o Sol é o regente do único sistema que existe na Via Láctea, mas o Caos, que é um ser de puras trevas, tem planos de tomar esse sistema para si.

Enquanto Uno criava o último planeta da galáxia, Caos tenta mergulhar o pequeno núcleo na completa escuridão. Imerso em trevas esse planeta está comprometido e nem o Sol com toda sua luz consegue iluminá-lo e eliminar Caos. Como a força de Caos está surpreendente, o Sol resolve pedir assistência de suas forças regentes: os planetas. Entretanto quem aparece para ajudá-lo são doze forças regidas por esses planetas, forças nomeadas com o que conhecemos como signos do zodíaco: Áries, Touro, Gêmeos, etc.
Chamados de Armada do Sol, essas doze forças descem ao núcleo recém-criado e travam uma batalha com Caos e suas criaturas: os Portentum, os Tenebris, os Crudelis e os Sinister. Quando chegam ao núcleo, a Armada do Sol se depara com vitórias fáceis no início, mas que despontam em batalhas cada vez mais pesadas. Combatendo seus próprios defeitos e fraquezas, a Armada do Sol passa por uma transformação interna e sente-se mais forte para enfrentar os verdadeiros desafios a que o Sol os incumbiu.

Após reconhecer seus erros, as doze forças aprendem a trabalhar em equipe, porém uma mensagem do Sol os preocupa: “Um de vocês vai me trair.”. Com essa preocupação a Armada do Sol segue em busca das trevas criadas por Caos e sua horda com a mesma determinação, porém o fracasso da missão os assombra terrivelmente.
Após a descoberta da suposta traição restam dez forças contra milhões de criaturas do mal, além do próprio Caos. Será possível derrotar uma força que nem o Sol conseguiu superar apenas com esse exército reduzido?

O autor criou uma história que é possível enquadrar em alguns pontos bíblicos, porém com mais fantasia e violência. Repleto de referências de Aristóteles Evezel cria um paralelo entre ficção e poesia filosofal.
A ideia das doze forças não é nova e pra mim foi impossível não lembrar dos Cavaleiros do Zodíaco. Para tentar reprimir a lembrança desse clássico, o livro tem algumas ilustrações e nelas são expostas as verdadeiras faces da Armada do Sol, que nada tem a ver com os Cavaleiros de Ouro de Athena. A propósito o projeto gráfico do livro é excelente.

Uma boa parte do livro é dedicada aos defeitos e às virtudes de cada guerreiro, o que nos leva a pensar nos signos do horóscopo que muitos acompanham. Para cada signo uma especificidade boa e outra ruim. Como particularmente não acredito em horóscopo não empolgou. Para quem gosta desse tema e de ficção fantástica vai adorar com certeza.

Para a leitura indico uma banda japonesa para dar ritmo às batalhas, a Maximum The Hormone.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...