Resenha: O sol é para todos Resenha: Em algum lugar nas estrelas Resenha: Laços

Resenha: O Beijo traiçoeiro


Título: O Beijo Traiçoeiro

Autor: Erin Beaty

Editora: Seguinte

Ano de publicação: 2017

Páginas: 440

ISBN: 978855340499

Nota: 05/05

*Enviado pela editora para resenha

Assim que vi a capa desse livro, fiquei apaixonada! Já fiquei imaginando mil coisas sobre a história e não via a hora de ler. Assim que comecei a ler, não consegui me dedicar e ler tão rápido quanto eu gostaria, tanto é que essa resenha demorou muito tempo para sair.

Enfim, vamos conhecer Sage Fowler e já deixo claro que se tornou uma das minhas personagens preferidas. A garota mora com os tios e ela sabe que devido a sua idade, a qualquer momento certas responsabilidades seriam dadas a ela, e que ela não teria a opção de escolha o que a deixava ainda mais apreensiva. Ela dava aulas para seus primos menores e queria ter a oportunidade de fazer outras coisas, de ser independente, mas os planos que seu tio tinha para ela, não era exatamente o que ela queria.

Estamos relatando uma época em que, mulheres eram usadas como moedas de troca, afim de firmar uma aliança e quando isso acontecia, não existia outra opção e Sage não queria aquilo para ela de jeito nenhum. Seu tio Willian conseguiu uma vaga para ela fazer uma entrevista com a casamenteira para que ela pudesse arrumar um marido. Antes dessa entrevista acontecer sua tia Braelaura ajudou ela a aprender certas coisas que ela nunca tinha tido a oportunidade de aprender, como por exemplo comer corretamente, se comportar corretamente. Era a obrigação de uma dama se comportar de forma correta. Ainda bem que os tempos mudaram, por que sinceramente, o homem podia tudo já a mulher nada. A garota sempre sofreu todas as consequências pelas escolhas que seus pais fizeram durante a vida, mas isso não a fez sentir raiva deles, muito pelo contrário, ela sentia orgulho deles pela coragem

Sage até pensou em fugir, mas da última vez que ela tentou, não deu muito certo, então essa opção está fora de questão. Ela iria na casa da casamenteira e faria a sua parte, mas queria que não desse certo.

O temperamento de Sage era daqueles difíceis e ela tinha uma língua afiada, o que chamou a atenção da casamenteira que ao invés de arrumar um casamento para ela, a tornou sua aprendiz.

A oportunidade de ajudar a casamenteira era algo que deixou Sage feliz, só pelo simples fato de ela não ter que se casar tão cedo com alguém que ela mal conhecia. As duas eram as responsáveis em organizar o Concordium, um evento onde as garotas iam para conhecer seus futuros maridos, mas quem escolhia quem iria casar com quem seria a casamenteira com ajuda de Sage.

A ida para o evento promovido pelo reino estava em risco devido ao risco eminente de ataque de exércitos inimigos, mas foi providenciado tropas para seguir a viagem até o final afim de evitar todo e qualquer ataque.

Sage começa suas investigações para conseguir tecer sua teia e suas anotações, porém isso começa a fazer com que os soldados passem a desconfiar dela, principalmente Ash Carter. Os soldados começam a acreditar que ela possa ser uma espiã e, portanto um risco. A única pessoa que poderia esclarecer tudo seria Darnessa a casamenteira.

Sage percebe que o tal Ash está querendo muito se aproximar dela e descobre que ele não sabe ler e decide ajuda-lo. O que Sage não sabe é que sua bondade poderá resultar em várias decepções no futuro.

O general Quinn percebe que na verdade a garota é muito esperta e não se trata de uma espiã e sim de uma aliada. Só que Sage detesta o general Quinn e não quer ver ele nem pintado de ouro. Acha que ele é um fraco por ficar escondido atrás de seus soldados e nem sequer mostrar quem realmente ele é, e só de ouvir falar nele, Sage já fica irritada.

Nessa história vamos encontrar romances? Sim vamos, e achei na medida certa. Vamos ter muita estratégia também, como vamos lidar com soldados no meio de uma guerra, então estratégia não pode faltar não é mesmo? Várias cenas épicas de Sage sendo desbocada falando a verdade e não sendo nada educada para ser considerada uma “dama”. Ela faz muitos amigos, mas também muitos inimigos e alguns muito perigosos. Sage acaba se tornando de suma importância na história, não por ser a personagem principal, mas sim por sua capacidade de ligar as pontas soltas e ajudar a todos a conseguirem se salvar de uma ameaça iminente.

As páginas são amarelas, o livro tem orelhas, a capa do livro é aveludada, e o livro em si é confortável para ler, inclusive a fonte é bem confortável para a leitura.

Recomendo e muito para quem gosta de romances, com aventuras e com uma personagem que não tem nada de boba, mas sim com uma personalidade bem forte e muito determinada, fazendo com que a história seja daquelas que não da vontade de parar de ler. sQuero muito que saia logo a continuação, porque estou doida para ler ainda mais sobre Sage.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...